DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Natal bom pra cachorro

Mais de trinta milhões de americanos compraram no ano passado para seus cachorros presentes de Natal que vão desde um simples osso de plástico a uma luxuosa maleta de um famoso desenhista.

Segundo a empresa Packaged Facts, em 2005 os americanos desembolsaram US$ 8,5 bilhões em presentes para seus cachorros, uma quantia que este ano deve aumentar.
Com essa perspectiva, lojas grandes e pequenas oferecem uma variada seleção de produtos para atender às necessidades de todos os orçamentos.
Entre os acessórios mais modestos estão os pratos de comida para cachorros e gatos do desenhista Kate Spade, que custam entre US$ 25 e US$ 30 e podem ser adquiridos nas grandes redes.
Os artigos de moda nesses estabelecimentos são os colares com incrustações de cristal – sobretudo os que levam o nome do animal de estimação -, e cujos preços variam entre dez e 220 dólares.
Mas quem quiser algo bastante mais caro e/ou extravagante, também pode encontrar.
Uma bolsa de pele para transportar o animal chega a US$ 720 e alguns acessórios caninos da célebre empresa Burberry podem chegar a US$ 395.
Modern Tail, que se reivindica “a boutique de luxo para animais de estimação”, oferece “o mais”: bolsas de couro para transportar o cachorro que custam US$ 600, um abrigo tipo Chanel que chega a US$ 119, e um vestido de noiva com véu por US$ 150.
O catálogo dessa loja é tão abundante que pode chegar a enjoar, e inclui desde biquínis e roupões de banho até fantasias de personagens como Batman, Superman e Papai Noel.
Para os viciados em tecnologia, há estabelecimentos que oferecem o Global Pet Finder, um aparelho eletrônico que “encontra cachorros” e custa US$ 350, e o PetsCell, um telefone celular em forma de osso que se pendura na coleira do cão, por US$ 349.
Os mais originais podem optar por presentear seu fiel amigo peludo com um dia de relaxamento em um “spa canino” – que por US$ 50 inclui banhos de aroma e um tratamento esfoliante -, ou um retrato da fotógrafa nova-iorquina Amanda Jones, por US$ 850.
Segundo especialistas do setor, como Bob Vetere, diretor de operações da empresa American Pet Products Manufacturers Association, o segredo do sucesso de vendas deste tipo de produtos é o sonho irrenunciável dos donos de “humanizar” seus cachorros.
“Comprar para nossos animais de estimação um presente de tipo humano nos faz sentir bem, e eles ficam felizes”, afirma.
Outros especialistas, como Dean Johnson, operador da PetLand, insistem no efeito que teve no mercado o exemplo de “celebridades como Paris Hilton”.
Essa rica herdeira do império hoteleiro Hilton foi utilizada como gancho promocional de algumas empresas, que recorreram tanto a sua imagem como à de seu agora famoso cachorro chihuahua, de nome Tinkerbell do qual ela cuida como se fosse seu bebê.
Quando alguém compra para seu cachorro um presente de marca, a mensagem subliminar que transmite não é outra senão: “assim sou eu; este é meu estilo”.

Começa agora, provavelmente, a me-lhor época do ano para todos nós. Claro que dá trabalho esta coisa toda de Natal e Ano Novo (não se esqueçam do cuidado super extra para os peludos não roerem o fio dos pisca-pisca, e nem comerem os enfeites da árvore), mas a verdade é que a maioria de nós aproveita para tirar umas bem merecidas férias.
Normalmente nas férias leva-se o cachorro para viajar de carro. Se você e o seu cão gostam de passear de carro, não se esqueça dos itens de segurança.
Para transitar no carro com segurança nossos amigões deveriam estar sempre na parte traseira do carro, e por lei não devem ter acesso ao motorista. A melhor maneira de manter os nossos peludos confortavelmente presos aos seus lugares é com o uso do cinto de segurança para cães, que é um peitoral (segura o cão pelo corpo e não pelo pescoço) que prende na trava do cinto de segurança do seu carro. É sempre bom lembrar também que a temperatura dentro do carro parado pode subir a níveis perigosos em poucos segundos, portanto nunca deixe seu amigão dentro do carro enquanto você dá “um pulinho, logo ali”. Pronto, a parte que diz respeito à segurança está resolvida, mas e o conforto?
Se o passeio de carro for na verdade uma viagem, não se esqueça de evitar dar comida ao seu cão cerca de 8 horas antes da viagem. Melhor sentir um pouquinho de fome do que passar mal durante o trajeto. Evite dar grandes quantidades de água também, pelo menos umas 3 horas antes de partirem. Paradas de 10 ou 15 minutos, a cada 2 horas, irão fazer milagres pelo bem estar do seu cachorro. Tempo suficiente para esticar as pernas, fazer um xixi, e tomar um golinho d´água.
No carro é sempre bom ter (mesmo que seja só um passeio perto de casa), um toalhão, uma colcha velha para proteger o banco.

Baixe nosso app:

Comments

comments

Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
152