DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Militar brasileiro é ferido em tiroteio no Haiti

Um militar do contingente brasileiro da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) foi ferido num tiroteio em Cité Soleil, uma favela na periferia norte da capital haitiana, controlada por grupos armados partidários do ex-presidente Jean Bertrand Aristide. O incidente ressalta os riscos e dificuldades da missão de paz no país mais pobre das Américas, liderada pelo Brasil e ampliada na quarta-feira pela ONU.

O porta-voz da missão Damien Cardona disse por telefone ao GLOBO ONLINE que o militar não corre risco de morte, o que foi mais tarde confirmado pelo comando do Exército, em Brasília. O primeiro tenente Nelson Dias Leoni, que chegou no início deste mês ao Haiti, levou um tiro no ombro, na altura da axila esquerda.

– O incidente ocorreu à tarde. O brasileiro foi atingido no ombro e está fora de perigo. Primeiro, ele foi socorrido em um hospital local e logo depois transferido para um hospital em Santo Domingo – detalhou o porta-voz Cardona.

O tenente passou por uma cirurgia no hospital do contingente argentino da Minustah em Porto Príncipe e outra, em Santo Domingo.

“Apesar de o estado de saúde do tenente Nelson Dias Leoni exigir cuidados especiais, ele não corre risco de vida e está em recuperação, devendo ficar em observação no Hospital da República Dominicana por 72 horas”, informou o Centro de Comunicação do Exército.

Segundo agências internacionais de notícias, o incidente ocorreu no âmbito uma operação “pontual” de uma unidade brasileira de cascos-azuis, não de uma ampla operação conjunta da unidade militar e da polícia civil internacional da Minustah e da polícia do Haiti, como se noticiou de início.

A nota do Exército brasileiro afirma que o militar foi ferido no tiroteio com as gangues por volta das 15h, quando retornava de um patrulhamento. O carro que transportava um pelotão foi alvejado e um dos disparos atingiu o tenente. O tenente chegara ao Haiti há menos de um mês, vindo do 26º Batalhão de Infantaria Pára-Quedista, na cidade do Rio de Janeiro.

Um comunicado divulgado na quinta-feira pela Minustah diz que um importante dispositivo de segurança foi estabelecido na capital haitiana para fazer frente à situação de violência e insegurança e boa parte das tropas estava mobilizada nesta operação.

O tiroteio de que o brasileiro saiu ferido não foi a única mostra ao longo do dia da grave situação em que o país está mergulhado. No fim da noite de quarta-feira, foi relatado um intenso tiroteio próximo ao palácio presidencial, no momento que o presidente interino Boniface Alexander discursava em uma cerimônia de nomeação de quatro novos membros do gabinete.

Não está claro se os atiradores tinham o palácio como alvo, mas os tiros criaram pânico do lado de fora do prédio. A cerimônia continuou, e as tropas da força de paz não revidaram os tiros.

O Haiti vive uma grave crise política e de segurança desde que Aristide, pressionado por uma revolta popular armada, partiu para o exílio, em fevereiro de 2004.

Pelo menos 780 pessoas morreram devido a violência no Haiti desde setembro do ano passado. Além disso, desde março, o país vive uma onda de seqüestros por dinheiro.

No dia 16 de junho, dois soldados peruanos da Minustah foram feridos, um deles gravemente, durante um tiroteio em Cité Soleil.

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
199