DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Concordâncias que geram dúvidas

Alguma vez, você já ouviu falar que o número zero está no plural? Em princípio, a maioria vai responder que não. Afinal, aprendemos, desde os primeiros anos da escola, que o plural existe apenas para números maiores de um, certo? Deveria estar certo. Porém, alguns usuários insistem em cometer um desvio gramatical simples e fácil de resolver. Acompanhe a seguinte situação.

Todos os dias, percebo que jornalistas, publicitários, empresários e diversas pessoas ligadas à produção de texto escreverem algo como: “estava muito frio na cidade, a temperatura chegou a ZERO GRAUS.”

Ora, se o plural, segundo os principais dicionários brasileiros, é a categoria gramatical que designa a quantidade maior de um (1), por que as pessoas colocam o plural na forma ZERO (menor de um)?

O numeral “zero” não representa a forma de plural, mas, sim, a total ausência de quantidade; um conjunto vazio. Portanto, se não há a pluralidade, se não há um número maior de um, a concordância com o numeral zero (0) deverá ser feita no singular. Veja os exemplos:

(1): “Fez zero grau essa madrugada.”

(2): “À zero hora, os relógios serão adiantados.”

(3): “As dívidas dessa empresa são estimadas em zero real.”

Muito simples, não é mesmo? E se você precisar fazer a concordância com um número decimal, a regra também é fácil, mas muita gente confunde. Nestes casos, a concordância deverá ser feita com o número que estiver antes da vírgula. Confira:

(1) “Hoje, andamos 0,8 quilômetro.”

(2) “O pacote de carne pesa 1,5 quilo.”

(3) “A temperatura na Alemanha chegou a 1,9 grau.”

(4) “O peso daquele animal aumentou 2,3 quilos.”

A mesma regra vale para o caso do substantivo masculino “milhão”. Nessa perspectiva, artigos, numerais e pronomes concordam em gênero e número com o substantivo. Confira:

(1) “Os 4 milhões de reais são para a reforma do hospital.”

(2) “Meu 1,7 milhão de dólares está bem guardado.”

(3) “Esse programa social vai atingir 1,3 milhão de pessoas.”

E se o caso for com número percentual (%), como devemos fazer? A concordância será com o verbo no singular ou no plural? Veja os exemplos abaixo e diga qual é a forma correta:

“Apenas 23% do combustível SÃO compostos de álcool” ou

“Apenas 23% do combustível É composto de álcool”?

A forma correta é: “Apenas 23% do combustível É composto de álcool”.

Entenda as regras de concordância com números percentuais:

1. Quando o número percentual estiver antes do verbo, sem complemento, o verbo vai concordar com o número: “Somente 13% aprovam a medida sugerida pelo ministro.”

2. Quando o número percentual estiver com o complemento do percentual, o verbo concorda com este último, isto é, com o complemento.

“Em 2015, 52% dos moradores serão multados pelo condomínio.”

“Neste caso, 42% dos entrevistados concordam com as mudanças da lei.”

3. Quando o número percentual estiver especificado com um pronome, por exemplo, o verbo faz concordância com o número. Preste atenção nesta regra, pois o exemplo é parecido com o anterior. Porém, o pronome muda a concordância: “Esses 27% da verba serão divididos entre os músicos.”

Obs.: repare que o complemento “da verba” ficou no singular, mas o verbo ficou no plural “serão”, por conta do pronome “esses”.

As regras são simples. Por isso, devemos entendê-las e não decorá-las. O uso formal ou informal de um idioma vai depender do contexto, isto é, da situação comunicativa. Você, como usuário, precisa apenas saber qual é o momento adequado para aplicar uma regra gramatical e qual o momento certo para usar gírias, expressões informais, marcas de oralidade, etc.

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Rodrigo Maia
Rodrigo Maia
Graduado em Jornalismo, Radialismo e Letras, Rodrigo Maia é especialista em Língua Latina e mestre e doutor em Língua Portuguesa pela PUC-SP. Atua há 16 anos em redações de jornalismo, em grandes emissoras de TV. Atualmente é colunista da Rede Record e biógrafo na Companhia Editora Nacional (IBEP). Há 12 anos, ministra aulas de Língua Portuguesa na PUC-SP, na Faculdade Belas Artes e no Centro Universitário Ítalo-Brasileiro. Como pesquisador, atua no Núcleo de Apoio à Pesquisa em Etimologia e História da Língua Portuguesa, na USP. Nos Estados Unidos, é membro da American Organization of Teachers of Portuguese. Participe! Mande suas dúvidas para o e-mail rodrigo@gazetanews.com. Quero fazer os textos dessa coluna de acordo com o que os leitores precisam e querem saber. Espero sua mensagem!
227