DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

As Aparências Enganam

“ Certa dia, um pequeno ratinho ainda a aprender os mistérios e dilemas da vida viu um gato e achou este um animal bonito e elegante, pois o seu pelo aparentava ser macio e os seus olhos eram verdes escuros como duas azeitonas.

No entanto, ao encontrar um galo assustou-se, pois o bicho tinha uma aparência horrível, tinha um gogó vermelho e saliente, pés com unhas enormes e pontiagudas e cantava como um louco batendo as asas.

O Ratinho chegou até à sua mãe e disse:
-Mãezinha, o meu coração se alegrou ao ver um belo animal elegante que tinha um pelo fofo e macio e olhos verdes como azeitonas, mas tive medo ao ver um animal que tinha uma pele saliente, unhas compridas e pontiagudas e que cantava como um doido.

A mãe do Ratinho, com toda a sua sabedoria sobre a vida, disse:
-Filho, o animal bonitinho e fofinho é um gato, ao perceberes a sua presença, por ser o teu predador te comeria na mesma hora sem pensar. O animal feio e desengonçado, é um animal cheio de simplicidade e compaixão, enquanto ouvires o seu canto a cada dia te avisa que estás vivo. Nunca mais chegues perto do Gato, mas respeita a importância do Galo”

Nem sempre conseguimos mascarar pôr muito tempo nossas verdadeiras intenções. Não da para enganar as pessoas pôr tempo indeterminado. Após vestirmos as roupagens da afabilidade e doçura para encobrir rudeza e desrespeito, vem a realidade dura que desnuda os lobos que vestiram a “pele de ovelha”.

Destarte, é no ambiente familiar que retiramos a nossa “pele de ovelha” e mostramos quem realmente somos. É no lar que sentimos seguros para removemos o verniz social da bondade e da caridade e revelamos tal como somos aos nossos familiares. Nos vestimos de “ovelhas” para desempenhar tarefas na vida publica, no setor de trabalho e com amigos, e com recém conhecidos.

Por querermos impressionar, aparentamos ser alguém que não somos, representamos personagens de ficção no palco da vida. Ou seja, e como se cumpríssemos um papel numa peça teatral.

Maquiagens impecáveis, joias reluzentes, perfumes caros, roupas da moda, fazem parte do nosso “personagem teatral”. Por não nos conhecermos em profundidade é que temos medo de nos mostrar como realmente somos. Destarte atribuímos a nos as qualidades desejadas dos outros, fazendo o papel de artista, de modelo, de indivíduos de sucesso, alimentando a ilusão de que somos, o que desejamos ser.

Representar dois ou mais papéis pode levar a uma fragmentação da personalidade, porque, de tanto representar, um dia perdemos a consciência de quem somos e do que queremos na vida.

Destarte, quanto mais abandonamos a “pele de ovelha”, imposta no transcorrer da vida mais autênticos seremos com nós mesmos. Ao escolhermos ser autênticos no nosso íntimo, descobrimos nossos potenciais, e consequentemente, agiremos com mais naturalidade e estaremos em paz conosco e com o mundo.

Moral: Não julgue as aparências, olhe e observe as atitudes das pessoas à sua volta

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]

Tags: ,,,,

Rosana Brasil
Rosana Brasil
Rosana Brasil é terapeuta de Matrimônio e Família, formada pela Universidade Católica St. Thomas, em Miami. Trabalha ajudando indivíduos e famílias a reconstruírem suas histórias de vida de maneira positiva e criativa.
225