DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Você é bilíngue ? – Nosso Idioma

Share

Ivian L. Destro – Autora, pesquisadora e educadora

 Você provavelmente já ouviu alguns desses comentários: pessoas bilíngues são raras e têm igual e perfeito domínio sobre as línguas que conhecem; bilíngues de verdade são aqueles que aprenderam as línguas quando criança e as falam sem sotaque; bilíngues são tradutores natos; alternar entre duas ou mais línguas numa mesma conversa é sinal de preguiça; todos os bilíngues são bi-culturais; o bilinguismo vai atrasar ou causar efeitos negativos no desenvolvimento de uma criança.

Esses são alguns mitos que o professor emérito François Grosjean desmitifica em seu livro Bilingual: Life and Reality (Harvard University Press, 2010). Como um especialista no assunto ele já percorreu a Universidade de Paris, Universidade de Northeastern (Boston), MIT e ultimamente leciona e pesquisa na Universidade de Neuchâtel, Suíça.

Grosjean chama a atenção de que muitas vezes não nos damos conta de que o bilinguismo é um fenômeno muito comum e está presente na maioria dos países do mundo, percorrendo todas as idades e todos os grupos sociais. Atualmente, estima-se que metade da população mundial é bilíngue. Tomemos como exemplo o Brasil: calcula-se que existem em torno de 180 línguas utilizadas no país, a grande maioria línguas indígenas, mas esse número também refere-se a imigrantes e descendentes de imigrantes que utilizam sua língua cotidianamente em sua comunidade. Exemplo disso é o pomerano, um dialeto alemão utilizado em Pomerode, um município de Santa Catarina.

Para elucidar algumas questões, o professor explica que muitas vezes as pessoas consideram o bilinguismo a partir da questão da fluência que o sujeito tem de uma língua, enquanto que atualmente se pensa esse conceito relacionando-o ao uso:

O alcance de quem pode ser considerado bilíngue aumenta consideravelmente quando nos concentramos no uso da língua. Num extremo concebemos bilíngue o trabalhador imigrante que pode falar com alguma dificuldade a língua do país em que vive. E no outro extremo, temos o profissional intérprete que é fluente em duas línguas. Entre esses extremos encontramos cientistas que leem e escrevem artigos numa segunda língua mas que raramente a falam, a mulher do imigrante que interage com suas amigas em sua primeira língua, o membro de uma minoria linguística que utiliza sua primeira língua apenas em casa e a língua da sociedade em que vive para todos os outros domínios, a pessoa surda que utiliza a linguagem de sinais com seus amigos mas que utiliza outra língua (geralmente na forma escrita) com uma pessoa que ouve, e assim continua. Para além da grande diversidade entre essas pessoas, todas elas têm algo em comum: elas conduzem suas vidas em duas ou mais línguas. (François Grosjean, tradução minha)

Em suas discussões Grosjean aborda a angústia de famílias que querem criar seus filhos como bilíngues. Segundo ele, o que é relevante para a manutenção de uma língua é atentar para questões como a quantidade de exposição às línguas que queremos transmitir e manter, a necessidade do uso delas e a natureza dos recursos que utilizamos para a transmissão e manutenção.

É a necessidade de interação com as pessoas no cotidiano (falar, brincar, cantar, ouvir, ler) e não a imposição dos pais que determinará o desenvolvimento de uma língua. Grosjean aconselha criar situações em que os interlocutores das crianças não conheçam a outra língua. Pensemos como exemplo os pais que vivem nos EUA e estão preocupados com a manutenção do português, eles podem aproveitar as viagens ao Brasil, a visita de parentes, as conversas por telefone ou por skype com brasileiros para expor as crianças a situações monolíngues, isto é, em que elas necessitem procurar recursos para se expressar em português sem fazer empréstimos do inglês. No cotidiano de uma pessoa bilíngue os empréstimos são comuns, mas será vantajoso criar circunstâncias em que as crianças em que atuem como monolíngues.

Para os filhos adolescentes, Grosjean incentiva que os pais abordem o tema bilinguismo acatando as angústias e buscando esclarecer as situações vividas. Afinal, em grande parte dos EUA o bilinguismo é um fenômeno vivido cotidianamente, às vezes de forma conflituosa, outras, em que as riquezas dos intercâmbios culturais são valorizados e aproveitados.

• Para saber mais sobre o bilinguismo:

Grosjean, François. Bilingual: Life and Reality. Harvard University Press, 2010.

• O pesquisador também mantém um link em que selecionou e respondeu frequentes perguntas de pais sobre como incentivar o bilinguismo de seus filhos. Não deixe de conferir!

http://www.francoisgrosjean.ch/for_parents_en.html

Se você é professor e deseja fazer parte da American Organization of Teachers of Portuguese, AOTP, visite o site www.aotpsite.org ou entre em contato pelo e-mail info@aotpsite.org .

Baixe nosso app:

Comments

comments

Share
AOTP
AOTP
A AOTP é uma entidade sem fins lucrativos e não governamental criada por professores da Flórida em 2007. Está comprometida em valorizar e promover o ensino da língua portuguesa, orientar professores estrangeiros no processo de habilitação para lecionar nos EUA, assim como proporcionar atualização e aperfeiçoamento profissional.Para ler mais sobre a American Organization of Teachers of Portuguese, acesse www.aotpsite.org. Contato: nossoidioma@gazetanews.com
136