DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Três das 10 rodovias mais perigosas do país passam pela FL

capa-site

A I-95 ficou entre as 10 estradas que mais registram acidentes fatais, com 0,89 morte por milha, durante os últimos seis anos.

Uma análise realizada pela EverQuote, divulgada na última semana, apontou quais as rodovias mais letais dos Estados Unidos. Segundo o levantamento, três das rodovias interestaduais mais perigosas estão no estado da Flórida: a I-4 (1º lugar), I-95 (5º) e a I-10 (7º).

Foram analisados os números de mortes no trânsito registradas no período de 2010 a 2015, e descobriu-se que a I-4, que liga Daytona Beach a Tampa, encabeça a lista como a mais perigosa dos EUA, com a média de 1,41 morte por milha.

A I-95, que vai de Miami ao Maine – atravessando 13 estados, um total de 1.926 milhas, durante os últimos seis anos ficou entre as 10 que mais registram acidentes fatais, com 0,89 morte por milha.

A I-10, com 2.460 milhas, que vai de Jacksonville (FL) a Santa Mônica (CA), ficou em sétimo lugar na lista.

Diariamente, milhares de motoristas brasileiros arriscam suas vidas ao trafegarem por estas estradas. O risco é ainda mais constante para quem trabalha com o transporte de carga. É o caso do mineiro Anderson Castro, 38 anos, casado e pai de três filhos, que atualmente vive em Jacksonville. Castro dirige pelas principais interestaduais americanas como ‘truck driver’ há 9 anos.

i95-anderson

Anderson trafega pelas principais rodovias dos EUA como truck driver e destaca que o tráfego na I-95 no sul da Flórida é bem mais intenso. Foto: arquivo pessoal.

“A I-95 no sul da Flórida envolve mais acidentes, os motoristas são imprudentes e tem mais construções ao redor. Ao norte, ela é um pouco melhor, mais fácil pra rodar. Mas a I-4 é ainda pior, bem estressante e com muito tráfego, nem se compara”, revela.

Castro destaca ainda que a I-95 é ainda pior, com tráfego bem mais intenso e menos acostamento, depois da Carolina do Norte, sentido Massachussetts ou Nova York.

Sobre a I-10, que vai da Flórida para a Califórnia, ele menciona que “as estradas do lado West do país são as melhores pra rodar, com exceção da I-10, em Lousiana, que inclui 25 milhas de buracos, o que a torna insuportável”, conta.

A catarinense Gabriela Lara, mora há 15 anos no sul da Flórida e conta a dificuldade em pegar a I-95 diariamente. “É um horror, muito cheia e é preciso sair muito cedo porque no horário de rush não se consegue andar rápido nela e você já sai sabendo que vai ficar com dor de cabeça. É perigosa, em dia de chuva mais ainda. Já vi vários acidentes, inclusive um indo para o aeroporto em Miami com várias vítimas espalhadas pela pista, fiquei em choque por várias semanas”, conta.

A brasileira menciona que hoje em dia evita trafegar pela I-95. “Hoje, rodo mais pela 441 North porque é mais tranquila, pego a I-95 um dia da semana, quando não tem outro jeito mesmo”, relata.

Uso do telefone

A pesquisa também revelou que a Flórida é o segundo estado com mais uso de telefone na direção. Os motoristas do estado costumam usar o telefone em média 1,4 vez por viagem – superior à média nacional, que é de 1,1.

De acordo com o Governors Highway Association, órgão responsável pela condução segura em todo o país, a distração ao volante é considerada uma infração secundária na Flórida, ou seja, os motoristas distraídos não podem ser multados, a não ser que outra violação seja cometida junto.

As multas por distração ao volante podem variar de $30 dólares como primeira ofensa e $60 dólares como segunda ofensa.

Em 2015, Orange County teve a maior taxa de acidentes relacionados com distração ao volante no estado.

Com informações do Local 10 e NBC Miami.

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]

Tags: ,,,,,,

Arlaine Castro
Arlaine Castro
Arlaine Castro Mineira, formada em Comunicação Social - Jornalismo pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (UNILESTEMG). Traz em seu currículo experiências como assessora de comunicação, escritora, revisora e organizadora do livro Eta Babilônia. Atualmente é repórter do Gazeta News.
224