DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Três crianças são operadas por causa de bonecas nos EUA

Bonecas que tiveram a venda proibida no mercado americano mas estão sendo vendidas livremente no Brasil podem provocar sérios danos à saúde.

O alerta foi lançado pelo programa “Fántástico” da Rede Globo de Televisão. De acordo com o programa, oito modelos da boneca Polly Pocket, uma das mais vendidas no Brasil, foram retirados das lojas dos Estados Unidos por recomendação do governo, porque 170 consumidores reclamaram que os ímãs que colam as roupas da boneca estavam se soltando.

Três crianças americanas engoliram os pequenos ímãs e tiveram que ser operadas. Dos oito modelos com defeito, quatro chegaram ao Brasil.

No Brasil, em novembro do ano passado, a fabricante Mattel convocou os compradores dessas bonecas para trocar o produto. Isso se chama “recall”. Atenção para os nomes dos quatro kits que oferecem risco:

– Polly Pronta Num Click – referência G8605
– Lila Loja Urbana – Linha Moda Num Click – referência H1537
– Lea Loja Esportiva – Linha Moda Num Click – referência H1538
– Shani Loja Zen – Linha Moda Num Click – referência H3211

A empresa diz que recebeu 12.664 ligações. E que 1.024 consumidores mandaram suas bonecas. Esses produtos estão sendo examinados.

“Até o momento nós trocamos, ou efetuamos reembolso pra 239 famílias”, diz Lilian Gaino, coordenadora de comunicação da Mattel.

A Mattel distribuiu no Brasil 100 mil conjuntos com defeito. Destes, apenas 551 estão fora do mercado: 239 do recall e mais 312 que a empresa recolheu das lojas. Ou seja, mais de 99 mil bonecas que oferecem risco estão nas mãos dos consumidores: as meninas. Cada uma com vários ímãs que podem se descolar das roupinhas.

“Há uma preocupação muito grande porque se trata de um produto destinado a crianças e, portanto, na próxima semana a empresa foi intimada a comparecer ao departamento para esclarecer o porquê do baixo índice de retorno deste recall”, declara Ricardo Morishita, diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor.

“A empresa sabe que tem risco e alertou, tanto alertou que pediu para ele enviar as peças. Agora, é uma opção dele enviar ou não”, argumenta a coordenadora de comunicação da Mattel.

A criança que brinca com um dos quatro modelos da boneca Polly corre riscos porque a cola nas roupinhas é de má qualidade, e muitas vezes os ímãs se soltam. Engolir estes ímãs representa sérios danos à saúde.

“Isso está descrito na literatura, vários relatos de casos de crianças que tiveram a ingestão de mais de um ímã, isso já é uma indicação cirúrgica”, alerta o gastroentereologista da UERJ Ricardo Alvariz.

Em uma simulação exibida pelo “Fantástico”, o primeiro ímã passa pelo estômago da criança, desce até o intestino e pára naturalmente em alguma dobra. O segundo ímã também pode chegar ao intestino. Como os tecidos do órgão são finos, a força magnética pode fazer com que os dois ímãs se unam. Eles podem comprimir duas alças, ou na pior das hipóteses, fechar completamente o intestino.

Foi exatamente o que aconteceu com um bebê americano que morreu em maio de 2006 depois de engolir dois ímãs de um outro brinquedo, um kit de blocos coloridos. A mãe nem desconfiou que o choro da criança pudesse ter uma causa tão grave. Quando Kenny começou a vomitar é que ela decidiu ir ao hospital. O bebê morreu cinco minutos depois de ser atendido. Tinha um ano e meio.

Os ímãs da Polly são minúsculos, têm três milímetros de diâmetro. Mas a força magnética é tanta que dois deles podem se atrair mesmo com um dedo no meio.

Baixe nosso app:

Comments

comments

Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
165