DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Queda do dólar volta a impulsionar a vinda de turistas brasileiros à Flórida

luis-sombra-copy

O brasileiro Luis Sombra, que assessora turistas em suas estadias em Orlando, é um dos que comemoram a retomada da procura por turistas do Brasil. Foto: Luis Sombra

Após bater os R$ 4,24 em janeiro desse ano, maior valor da história do Plano Real, criado em 1994, a moeda norte-americana vem sofrendo grande desvalorização frente à brasileira no últimos dias.

Na tarde de terça-feira, 25, o dólar fechou cotado a R$ 3,10. No acumulado deste ano, a depreciação bate a casa dos 19%. Somente em 2009, quando o dólar fechou o ano com variação negativa de 25,49%, a desvalorização foi maior.

Na prática, setores como o de turismo comemoram os números e acreditam num novo boom no setor, com maior movimentação nas agências e companhias aéreas. Esse novo cenário otimista começa a refletir também nos gastos de brasileiros no exterior.

Conforme divulgado pelo Banco Central, nesta semana, em setembro (quando o dólares estado cotado a aproximadamente $3,20), o total de compras e pagamentos feitos por brasileiros no exterior somaram $1,29 bilhão de dólares – alta de 2,77% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando totalizaram $1,26 bilhão de dólares.

O quadro é simples de entender: um patamar mais baixo para o dólar barateia os gastos com hotéis e passagens no exterior, cotados em moedas estrangeiras, assim como despesas gerais.

De acordo com o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, as despesas continuam seguindo a tendência de aumento em outubro.Segundo Maciel, até o último dia 21, por exemplo, os gastos de brasileiros no exterior somavam $1,04 bilhão de dólares – valor que já supera o registrado em todo o mês de outubro de 2015 ($1 bilhão de dólares). “A taxa de câmbio (real) se valorizou ao longo do ano. Saímos de R$ 4 por dólar no início do ano e foi valorizando. Isso contribui para que os custos dessas viagens sejam mais atrativos”.

Aumento em número de reservas de hotéis

Com o dólar mais barato, as agências de turismo brasileiras já sentem os reflexos positivos do câmbio. Destinos mais procurados em terras americanas, como Miami e Orlando, já registram aumento no movimento, segundo agentes brasileiros que atuam nos EUA.

O brasileiro Luis Sombra, que assessora turistas em suas estadias em Orlando, é um dos que comemoram a retomada da procura por turistas do Brasil.

Sombra, que também gerencia uma página no Facebook voltado ao turismo na terras dos parques temáticos que reúne mais de 80 mil membros, garante que a recente queda do dólar já aumentou a procura de brasileiros por hotéis em mais de 40%, se comparada ao mesmo período do ano passado, quando a moeda americana ultrapassava os $4 dólares.

Segundo ele, o interesse maior é para o fim/início do ano.

“Estamos com a agenda lotada para dezembro e com reservas feitas até fevereiro para brasileiros que vem visitar Orlando e seus parques”, comemora Sombra.

O fim de ano animador pode ajudar a minimizar a queda no número de turistas brasileiros na Flórida ao longo de 2015 – auge das crise econômica e política no Brasil.

De acordo com dados da Visit Florida, organização de natureza público-privada vinculada ao governo estadual, cidades como Miami e Orlando receberam 10% menos visitantes ano passado que em 2014.

Com informações do G1.

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]

Tags: ,,,,,,,

Daniel Galvão
Daniel Galvão
Jornalista especializado na cobertura política e econômica do Brasil e do mundo. Credenciado pela Federação Internacional de Jornalistas. Morou na Espanha por quase 3 anos. Tem passagens em diversos veículos de comunicação (emissoras de TV, rádios e jornais) do interior do estado do Rio de Janeiro. Atuou por anos como chefe de reportagem e editor-chefe de periódicos na Região Serrana e dos Lagos do RJ. É blogueiro, colunista, produtor de conteúdo para redes sociais, assessor de imprensa e redator. Pastor por vocação, marido por amor e pai de duas meninas como missão. Apaixonado pela vida.
267