DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Piora posição do Brasil em ranking global de corrupção

A percepção da corrupção no Brasil, nos primeiros anos do governo Lula, piorou, segundo relatório divulgado em Londres nesta terça-feira pela Transparência Internacional (TI).
No Índice de Percepção da Corrupção 2005, que se refere aos três últimos anos, a nota do Brasil caiu de 3,9 para 3,7 (em uma escala de 0 a 10, sendo 10 a melhor nota).

A queda foi pequena, mas mostra um retrato decepcionante dos primeiros três anos da presidência de Luiz Inácio Lula da Silva, que havia elegido o combate à corrupção como uma de suas prioridades.

Esse retrato, no entanto, incluiu muito pouco dos recentes escândalos, detonados em maio com as denúncias de corrupção nos Correios, já que o estudo começou a ser fechado por volta de junho, quando a crise apenas começava a envolver o PT e a ganhar maiores proporções.

Ranking

A menor nota do Brasil também fez o País perder posições no ranking deste ano.

O Brasil caiu da 59ª para 62ª posição, ficando atrás de uma longa lista que inclui países como Belize, Colômbia, Tailândia, Trinidade e Tobago, Cuba e Chile, entre outros.

No topo do ranking, por outro lado, está a Islândia, com nota 9,7, seguida da Finlândia (9,6), da Nova Zelândia (9,6), da Dinamarca (9,5), de Cingapura (9,4) e da Suécia (9,2).

Esses países são o destaque positivo do ranking e estão no alto de um total de 42 nações com nota igual ou superior a cinco.

A nota cinco é considerada pela Transparência Internacional como uma espécie de divisor de águas: nota inferior é indício de sérios níveis de corrupção.

Corrupção crônica nos BRICs

Nessa parte inferior da lista, estão mais de cem países, incluindo Brasil, Rússia, Índia e China, que fazem parte do que do grupo identificado pela Goldman Sachs como BRICs (sigla para os quatro países).

Esse grupo de países, segundo as projeções do estudo Dreaming with BRICs: The Path to 2050, elaborado por Dominic Wilson e Roopa Purushothaman, seriam grandes potências no futuro.

O grau de corrupção nesses quatro países, segundo a Transparência Internacional, é alto e não dá sinais de melhora.

A Rússia, por exemplo, é apontada como um destaque no índice deste ano, entre os países com maior queda na nota, que caiu de 2,7 para 2,4.

Na China, a percepção do problema também piorou, e a nota caiu de 3,4 para 3,2.

A Índia foi o único país do grupo a apresentar ligeira melhora. A nota passou de 2,8 para 2,9.

“Esperança”

Segundo um estudo elaborado pelo alemão Johann Graf Lambsdorff, que avalia o resultado dos países analisados pela TI ao longo dos últimos dez anos, os chamados BRICs não conseguiram combater o problema.

Apesar de se revelar um problema crônico nos países mais pobres, Lambsdorff mostra, em um estudo também divulgado nesta terça-feira, que mesmo países em desenvolvimento conseguem enfrentar a corrupção com resultados positivos.

Na última década, nações como Estônia, México, Colômbia, Bulgária e Tailândia conseguiram melhorar suas notas no ranking da Transparência.

“Isso mostra que existe esperança. Nenhum país está destinado à corrupção”, analisa Lambsdorff.

Segundo a Transparência Internacional, países desenvolvidos também sofrem com um problema, apesar de em menor escala.

O estudo cita, por exemplo, o Canadá e a Irlanda como países que sofreram uma piora na percepção da corrupção nos últimos anos.

Na maioria dos casos, porém, corrupção e subdesenvolvimento fazem parte do mesmo quadro.

“A corrupção é uma causa importante da pobreza, bem como uma barreira para superá-la”, disse o presidente da Transparência Internacional, Peter Eigen.

O Índice de Percepção da Corrupção elenca países de acordo com o grau de corrupção entre autoridades públicas e políticos.

Reflete a percepção de empresários, executivos e analistas de dentro e fora do país avaliado.

Baixe nosso app:

Comments

comments

Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
152