DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

PF e Receita Federal fazem operação contra lavagem de dinheiro e evasão fiscal.

Agentes da Receita Federal e da Polícia Federal (PF) deflagraram hoje (29) a operação Pôr-do-Sol, de combate à lavagem de dinheiro e evasão fiscal, crimes que permitiram encobrir dívidas fiscais de R$ 150 milhões no Paraná e em São Paulo, com ramificação recente em Manaus.

As ações também envolvem o Ministério Público, a Procuradoria da Fazenda Nacional e o Banco Central. Em mais de dois anos de investigações, eles desvendaram um esquema de lavagem e ocultação de valores, com evasão fiscal e de divisas. O esquema era comandado por um grupo empresarial estabelecido em Curitiba, que tem a Pôr-do-Sol como principal marca de equipamentos esportivos e de lazer.

Desde de hoje pela manhã, a Receita e a PF estão executando mandados judiciais expedidos pela 2ª Vara Federal Criminal para busca e apreensão simultânea em mais de 20 locais em Curitiba e São Paulo. A diligência está sendo feita em residências, empresas suspeitas de fazer parte do esquema, escritórios de advocacia e até na representação de um banco norte-americano e em um centro de operações de câmbio paralelo.

A informação foi divulgada há pouco pela assessoria de imprensa da Receita, que não informou o nome do banco envolvido. Em nota, a Receita diz que estão sendo cumpridos 10 mandados de prisão temporária a três empresários, três pessoas ligadas ao grupo empresarial com sede em Curitiba, dois auditores da própria Receita Federal, um doleiro e um consultor financeiro ligado à instituição bancária dos Estados Unidos.

A nota da Receita acrescenta que as investigações recaem sobre uma família uruguaia estabelecida no Paraná, que há pelo menos dez anos vinha cometendo atividades ilícitas, como descaminho de mercadoria, subfaturamento de importações, interposição fraudulenta, evasivas e fraudes à execução fiscal e sonegação de tributos internos.

O grupe empresarial, detentor de um shopping center em Santa Catarina, também é acusado de crimes contra o sistema financeiro, câmbio e remessas internacionais ilegais, lavagem de dinheiro, ocultação de valores, aplicação de recursos não contabilizados e uso de empresas “laranjas” em transações com empresas off-shore uruguaias, além de outras irregularidades.

Agência Brasil

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
222