Policial que fugiu para o Brasil deve conseguir evitar extradição

BOYNTON BEACH- O policial brasileiro David Britto pode estar fora do alcance das autoridades americanas para sempre. O antigo “policial do ano” de Boynton Beach estava sob prisão domiciliar, aguardando julgamento por acusações de tráfico de drogas, quando cortou a pulseira de monitoramento eletrônico no dia 24 de agosto e embarcou em um avião em Miami com destino a Brasília, de acordo a documentos judiciais. As informações são do Sun-Sentinel.

A constituição do Brasil proíbe a extradição de cidadãos brasileiros.

“Basicamente, ele se foi, a menos que o governo brasileiro, por meio de pressão política, permita que os agentes dos EUA busquem-no”, disse o advogado David Rowe, um professor de direito da Universidade de Miami e especialista em extradição.

Britto, de 28 anos, parece ter apostado com sucesso em um escape de alto risco, ao invés de arriscar enfrentar anos de prisão. Ele deveria começar julgamento no dia 13 de setembro.

A corrida ousada, no entanto, levanta questões sobre como ele conseguiu e se alguém o ajudou.

O Marshals Service dos Estados Unidos, que está liderando a caçada por Britto, disse que os agentes federais estão olhando para todas as formas possíveis de obter Britto de volta em Miami, onde ele enfrenta uma acusação de conspiração para possuir e tráfico de 500 gramas de metanfetamina.

“Ainda estamos perseguindo”, disse o porta-voz do Serviço de Marshals Barry Golden. “Ele é um dos grandes casos que estão no topo da nossa lista … Ainda estamos rastreando todas as pistas. Estamos tentando recuperá-lo em custódia a todo custo.”

As tentativas de obter Britto de volta são um desafio, se não for uma missão completamente impossível.

Um tratado de 1964 entre os Estados Unidos e o Brasil permite a extradição de qualquer pessoa acusada ou condenada por um crime com uma pena de um ano ou mais.
Mas em 1988, o Brasil alterou sua constituição, e a menção expressa de que “nenhum brasileiro será extraditado.”

As pessoas nascidas em outros lugares que se tornam cidadãos brasileiros, no entanto, pode ser entregues se eles são acusados de certos crimes relacionados a drogas. Estrangeiros que acharem lugar seguro no Brasil e são acusados de crimes políticos em outro lugar não são extraditados.

Tal política rigorosa provocou tensões nas relações diplomáticas do Brasil, como no caso recente do italiano Césare Battisti. No início deste verão, a Itália denunciou o Brasil por se recusar a extraditar o ex-militante condenado por matar quatro pessoas na década de 1970.

Na Flórida, o alerta sobre adulteração da tornozeleira de Britto saiu na noite de 24 de agosto. Mas o U.S. Marshals não foram informados até a manhã seguinte. Só então foi foi emitido um mandado de prisão, disseram autoridades. Isso deu a Britto uma janela de tempo para escapar.

4 ideias sobre “Policial que fugiu para o Brasil deve conseguir evitar extradição

  1. O Brasil deveria ter vergonha de acobertar criminosos como esses…. E a nossa comunidade aqui na Florida nao deveria permitir a bagunca que certos elementos vem fazer por aqui, trazendo so o pior do Brasil …..mas e por isso que o Brasil nao muda…. e povinho besta ….. e toda nacao tem os politicos que merece…. Tiririca para Presidente da Republica……

  2. nao tem que ir la no brasil buscar nimguem, o brasil tem que mostrar para esses paises que pensam que sao dono do mundo que nao e bem assim, se ele estava metido com coisa suja, foi culpa desse pais que fazem de tudo para ferrar voce.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>