DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Que tal mudar a conjugação verbal do português brasileiro?

11718220253_246fe68c4b_o - CopyComeço o texto de hoje com uma questão. Por favor, caro leitor, responda sem fazer pesquisa. Apenas tente responder de acordo com o que lembra.

Então, vamos começar a reflexão de hoje. Como é conjugado o verbo “ir” no presente do indicativo? Vou preencher os mais fáceis e deixar um pronome para que vocês indiquem a forma adequada, de acordo com a gramática normativa.

Eu… vou
Tu…. vais
Ele… vai
Nós… vamos
Vós… ????
Eles… Vão

Pelo menos em sala de aula, em nível universitário, a maioria dos alunos erra ou, simplesmente, não responde.

Em diversas oportunidades, vejo que muitos alunos não conseguem conjugar os verbos dentro do padrão atual da Língua Portuguesa. Por isso, com o objetivo de fazer uma verificação, pego um verbo simples e de uso contínuo, como o verbo “IR” citado no exemplo, e peço para conjugarem. Não há dúvidas de que o brasileiro usa o referido verbo o dia todo, tanto na fala como na escrita. Portanto, a conjugação deveria ser fácil e simples; e não fora do uso.

Pela internet, é só achar um “conjugador de verbos” para resolver o problema. E o resultado aparece rapidamente: VÓS IDES.

Quando eu falo que o correto é “vós ides”, a reação é de espanto. A maioria diz: “Nossa, nunca usei isso na minha vida!”. E completam: “E também nunca vou usar, né professor?”.

Além do “vós”, o “tu” também já não é muito usado em todo o país. Apenas algumas cidades brasileiras, principalmente na região sul, ainda preservam o pronome. Outras regiões também usam o “tu”, mas conjugam como “você”. Em Santos, no Rio de Janeiro e em algumas cidades do Norte e do Nordeste, as pessoas usam: “tu vai pra casa, hoje?” Ou seja, fazem o uso de “tu” como “você”. E não na forma padronizada: “tu vais pra casa, hoje?”.

Com essa realidade e baseado no uso, peço para os alunos, espontaneamente, conjugarem o mesmo verbo, mas com outros pronomes pessoais. Vejam:

Eu… vou
Você… vai
Ele… vai
A gente… vai
Vocês… vão
Eles … vão

Dessa forma, tudo fica mais simples e comum. E por quê? Porque é assim que a maioria dos falantes brasileiros usa. E qual o problema dessa suposta alteração? Seria um “assassinato” ao bom Português?

Em aula, deixo bem claro aos alunos que essa é apenas uma visão de uso do idioma, e que a forma considerada correta ainda é: eu vou, tu vais, ele vai, nós vamos, vós ides, eles vão.

Porém, qual o problema de entendermos o Português Brasileiro de uma forma mais viva, levando em consideração, também, o registro oral da língua? Sei que vou receber diversas críticas com esse ponto de vista em relação aos pronomes pessoais, principalmente dos puristas que querem distanciar a língua dos próprios usuários. Mas não tem problema.

O objetivo principal desse espaço democrático é dialogar e refletir acerca de um Português mais dinâmico; um Português que desperte a vontade de todos pela escrita e pelo uso criativo da prática social de comunicação: um Português Brasileiro!

Baixe nosso app:

Comments

comments

Rodrigo Maia
Rodrigo Maia
Graduado em Jornalismo, Radialismo e Letras, Rodrigo Maia é especialista em Língua Latina e mestre e doutor em Língua Portuguesa pela PUC-SP. Atua há 16 anos em redações de jornalismo, em grandes emissoras de TV. Atualmente é colunista da Rede Record e biógrafo na Companhia Editora Nacional (IBEP). Há 12 anos, ministra aulas de Língua Portuguesa na PUC-SP, na Faculdade Belas Artes e no Centro Universitário Ítalo-Brasileiro. Como pesquisador, atua no Núcleo de Apoio à Pesquisa em Etimologia e História da Língua Portuguesa, na USP. Nos Estados Unidos, é membro da American Organization of Teachers of Portuguese. Participe! Mande suas dúvidas para o e-mail rodrigo@gazetanews.com. Quero fazer os textos dessa coluna de acordo com o que os leitores precisam e querem saber. Espero sua mensagem!
440