DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Há 70 dias não chove no Paraná, e seca já atinge produtores agrícolas.

Curitiba – O inverno, que começa hoje (21), é a estação mais seca do Paraná. Segundo o Instituto Tecnológico Simepar, isso deve agravar ainda mais a estiagem na região, que já fez com que a Defesa Civil decretasse estado de emergência em 42 municípios do estado. Há 70 dias não chove no Paraná.

O meteorologista do Simepar Tarcízio Valentin disse que, nos últimos meses, os valores acumulados de precipitação têm sido abaixo da média histórica, sendo que em julho e agosto chove menos em relação aos demais meses do ano. “Diante disso, a estiagem em algumas áreas do Paraná ainda deve permaner no início do segundo semestre”.

De acordo com o tenente Eduardo Pinheiro, da coordenadoria da Defesa Civil, nos últimos dias, 60 municípios entraram com processos reivindicando essa condição. A orientação é que eles adotem medidas preventivas para que os prejuízos sejam minimizados com a seca, a mais prolongada dos últimos seis anos, segundo o departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura.

O chefe da divisão de Conjuntura do Deral, Luiz Roberto Souza, diz que, até agora, as lavouras mais prejudicadas são as de trigo e milho safrinha.

O Paraná é o principal produtor nacional de trigo, responsável pela metade da produção brasileira. A previsão de colher 2,5 milhões de toneladas já sofreu uma quebra de 6% e, com a falta de chuvas, os agricultores suspenderam o plantio. Na avaliação da agrônoma do Deral Margorete Demarchi isso deve ocasionar perdas ainda maiores.

O Paraná também lidera a produção de milho safrinha, que já contabiliza perdas de 5,4% nas lavouras. A estimativa inicial era colher 3,5 milhões de toneladas do produto.

Os prejuízos decorrentes da estiagem estão sendo calculados pela secretaria. De acordo com Luiz Roberto Souza, quando a seca acontece em fevereiro a situação é mais grave, pois é a época em que toda a safra de verão (soja, milho e feijão) precisa de água em abundância. “Esse tipo de lavoura depende apenas do clima, pois qualquer sistema de irrigação tornaria o custo da produção inviável”.

Agência Brasil

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
222