DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

G Magazine

Revista mensal de maior circulação no país voltada para o público gay, a “G Magazine” completa oito anos de existência, resistindo ao preconceito do mercado publicitário, das personalidades convidadas a posar sem roupa e da mídia tradicional.

Filiada ao IVC (Instituto Verificador de Circulação), a “G Magazine” chega a vender até 110 mil exemplares por mês. Isso representa quase a metade da tiragem média (240 mil) da “Playboy”, publicação de nu feminino com 30 anos de presença no Brasil e mais de 50 anos nos EUA.

Publicada pela Fractal, editora comandada por Ana Fadigas, a revista nem sempre consegue atingir seu pico de tiragem. Há casos em que o número de exemplares cai para 60 mil por mês, caso o “homem da capa” não caia no gosto dos leitores –um risco comum em outras publicações do gênero.

Divulgação

Ana Fadigas, editora da “G Magazine”
A editora da “G” disse à Folha Online que a revista está passando por uma “recauchutagem” com o objetivo de melhorar o conteúdo jornalístico, como fez a “Playboy” no passado.

A revista passou a publicar textos do escritor João Silvério Trevisan, criou colunas para grupos específicos assinadas por representantes de gays, lésbicas, soropositivos, ursos (gordinhos), transexuais e um casal homossexual, além de apostar em reportagens sobre saúde, estética, comportamento e notícias nacionais e internacionais de interesse do mundo gay.

Mas os nus frontais continuam como o carro-chefe da “G”. Ana usa como exemplo aquelas pessoas que costumam justificar a compra da “Playboy” alegando a qualidade das reportagens. “De fato, as matérias são ótimas, e essa alta qualidade é um estímulo a mais para levar o homem à banca de jornal.”

“Sentimos essa necessidade no nosso leitor aos poucos. Com o amadurecimento do movimento GLS no país, o engajamento político crescente, percebemos que precisávamos discutir mais profundamente, e com qualidade, temas como a união civil, a adoção”, explica Ana.

“As poses masculinas ainda estão lá, claro, porque também é um desejo do leitor, mas até esta parte mudou, está mais trabalhada.”

Sobre a “sensação do que o leitor quer”, Ana explica que nunca em sua carreira esteve em contato com um público que responde tanto ao que consome, seja para o bem ou para o mal.

Segundo ela, foi dos leitores da “G” que recebeu as mais duras críticas, mas também os mais estimulantes elogios.

“É apenas a tradução do que é, na essência, o homossexual. Eles falam o que pensam, sejam para reclamar ou para agradecer. No dia das mães, recebo cartas de um monte de adolescentes. Adoro isso.”

A única coisa que não pode existir, para Ana, é o medo de inovar. Nas duas últimas capas da “G”, por exemplo, o apresentador Clodovil e o professor Jean Willys, vencedor do “Big Brother”, não quiseram sair nus, mas toparam fotografar ao lado de modelos.

“O Clodovil sugeriu, disse que tinha vontade de sair, e achamos legal. Deu certo”, diz a editora.

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
200