DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Filho de diabética ‘tem mais chance de nascer morto’

Mulheres grávidas com diabetes têm cinco vezes mais chances de darem à luz crianças mortas, segundo pesquisa.
O relatório feito pelo grupo Pesquisa Confidencial sobre a Saúde Materna e da Criança (CEMACH na sigla em inglês) também constatou que, no caso de diabetes, as crianças têm três vezes mais chances de morrerem no primeiro mês de vida.

O relatório descobriu que, das 2356 mulheres grávidas com diabetes observadas, 63 deram à luz a crianças mortas e outras 22 crianças morreram antes de completar um mês de vida.

A pesquisa foi realizada entre março de 2002 e março de 2003 e é a maior do mundo a estudar os efeitos da diabetes na gravidez.

Outras descobertas

A pesquisa também descobriu que as chances de deformações congênitas dobravam, 42 para cada mil nascimentos, entre os filhos de mães diabéticas.

As mulheres portadoras de diabetes também apresentaram altas taxas de intervenções obstétricas durante a gravidez, incluindo cesariana e partos prematuros.

Segundo os pesquisadores, a diabetes do tipo 2 representa o mesmo risco para mulheres grávidas quanto a diabetes tipo 1.

Mary Macintosh, diretora da pesquisa, afirmou porém que o relatório encontrou dados preocupantes relacionados à diabetes tipo 2 durante a gravidez.

“A prova é que a diabetes tipo 2 está se transformando em um distúrbio mais comum do que muitos pensavam e, assim como a diabetes do tipo 1, pode levar à morte do bebê ou a problemas congênitos”, disse.

Minorias

Metade das mulheres pesquisadas que tinham diabetes tipo 2 pertenciam a minorias étnicas e quase metade viviam em áreas pobres.

Outras pesquisas mostraram que a diabetes do tipo 2 também está associada com obesidade e sedentarismo.

As mulheres que participaram do estudo, que tinham a diabetes tipo 2, não estavam preparadas para a gravidez.

Elas provavelmente não tiveram aconselhamento antes da gravidez e poucas fizeram exames dos níveis de açúcar no sangue antes da gravidez, além de não terem consumido suplementos de ácido fólico.

Baixe nosso app:

Comments

comments

Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
152