DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

“Cultura da Chinelada”

Por Silvana dos Santos

A cultura brasileira de corrigir a desobediência dos filhos com cintadas,palmadas e chineladas , não cabe dentro das leis americanas , a realidade nos Estados Unidos para pais que possuem a “cultura da cintada” para corrigir seus filhos é outra, e os mesmos podem entrar em sérios apuros, pois o governo americano estabeleceu leis que protejem crianças contra qualquer tipo de abuso, sendo este efetuado por seus pais ou qualquer outra pessoa. Recentemente uma brasileira foi presa no condado de Broward por “NEGLECT CHILD WITHOUT GREAT HARM” (negligenciar seu filho sem grandes danos físicos) e “AGGRAVATED ABUSE” ( isto é o que o estatuto americano chama de abuso grave) . A acusada foi presa no dia 23 de julho de 2005 e terá de pagar dez mil dólares de fiança.

Nos Estados Unidos os pais não estão proíbidos de corrigirem seus filhos com palmadas, mas estão expressamente proíbidos de machucar seus filhos causando nestes traumas e dor.
O professor Bruce Weinberg da universidade de estado de Ohio realizou um estudo sobre crianças que são punidas com maior frequência, comparando a punição com a renda anual da família. Ele encontrou que crianças que vivem em uma casa com renda anual de $6,000-$ 17,000 dólares esta criança é punida provavelmente a cada seis semanas . Se a renda anual dos pais for, $40.000 e $120.000, a criança será punida aproximadamente uma vez cada quatro meses , pois estes pais utilizam o método de cortar a mesada, jogos e outras regalias das crianças, se estes não tiverem bom comportamento ou bom desempenho escolar, evitando o contato físico com as mesmas.

A socióloga Murray Straus da Universidade de New Hampshire publicou estudos múltiplos que concluem que as crianças que são espancadas são adultos menos bem sucedidos. Ou talvez é tão simples quanto : A pobreza produz a frustração, e os pais frustrados punem seus filhos com maior frequência.

Nas escolas americanas , as crianças são instruídas á ligarem para 911 ou para DCF( departamento de crianças e família) para denunciar os pais se estiverem sofrendo abusos pelos mesmos. Se uma criança chega na escola com marcas no corpo ou comportamento suspeito de quem sofreu violência doméstica, os professores desta crianças entrarão em contato com os pais da mesma para uma orientação psicológica na escola, se o abuso persistir os professores tem a autoridade de denunciar os pais dessa criança. Normalmente uma assitente social é designada para acompanhar a criança em casa no caso esta criança diga que foi ferida pelos pais. Os pais por sua vez corem o risco de serem presos e de perderem a guarda de seus filhos .

A tarefa de ser pai nos Estados Unidos é difícil para aqueles que foram criandos em uma cultura diferente. A psicóloga brasileira Ana Cláudia Ferreira dá orientação psicológica para membros da igreja da Graça de Deus. Ana Cláudia é mãe de dois filhos tendo um em idade escolar , afirma que é difícil educar os filhos nos Estados Unidos, pois há muita interferênciade pessoas alheias na educação da criança. A psicóloga da a orientação de que é importante ter cautela no ato de corrigir os filhos e que nunca se deve corrigí-los ou puní-los na frente de outras pessoas. Quando punir a criança é importante explicar para as crianças porque estão sendo punidos, pois cada criança de acordo com a educação dada pelos pais, estes sabem quando estão fazendo algo errado e que a consequência será uma chinelada.

Ana Cláudia diz que “a cultura do chinelo”é importante pois criança precisa saber ter limites, e saber porque esta levando chinelada. A partir dos 4 anos de idade, e possível que pais conversem com seus filhos para que aprendam o certo e errado.Trazer para a conciência da criança o erro e depois usar o chinelo. Dar chinelada sem explicar para a criança o pôrque, não resolverá o problema. Sempre orientar os filhos sobre o que estes devem dizer na escola sobre quaquer tipo de arranhões que os mesmos tenham no corpo. Pois as crianças precisam saber que os pais serão presos e o Estado pode tomá-las dos mesmos, colocando-as para viverem em instituições do governo, como orfanatos. Por isso é importante orientar bem os filhos sobre esta situação.

É importante que os pais estejam informados de que forma podem corrigir seus filhos e estar alerta sobre deixá-los sozinhos dependendo da idade dos mesmos sem infringir a lei americana.
O conhecimento das leis e estatutos americanos são importantes no grande desafio de educar filhos nos Estados Unidos. Por isso mostramos o que o estatuto da Flórida explica sobre os crimes de abuso grave e negligência sem grandes danos físicos:

(2) “abuso grave de criança” ocorrem quando uma pessoa:

(a) Comete agressão grave contra uma criança;
(b) Intencionalmente com torturas, punição maliciosa, ou aprisionamento intencional e ilegal a uma criança;
(c) Abuso com conhecimento ou intencional á uma criança , e assim que fazendo o dano corporal cause grandes danos físicos como: a inabilidade permanente, ou a desfiguração permanente da criança.
Uma pessoa que comete o abuso grave contra uma criança comete um crime do primeiro grau, punível como fornecido em s. 775.082, s. 775.083, ou s. 775.084.

(3) a “negligência de uma criança” significa:

Uma falha ou omissão dos “caregiver” (pessoas que não são os pais, mas estão resposáveis pela criança por um determinado período de tempo) fornecer uma criança com o cuidado, a supervisão, e os serviços necessários de manter a saúde física e mental da criança, incluso, mas não limitado a, alimentos, nutrição, roupas, abrigo, supervisão, medicamentos, e serviços médicos que uma pessoa responsável consideraria essencial para o bem estar da criança;

Uma falha dos responsáveis em fazer um esforço razoável para proteger uma criança do abuso, da negligência, ou da exploração por uma outra pessoa. A negligência de uma criança pode ser baseada na conduta repetida ou em um único incidente ou omissão que resultem , ou poderia razoavelmente esperar-se resultar o ferimento físico ou mental sério, ou um risco substancial da morte, de uma criança.
Uma pessoa que intencionalmente negligência uma criança e em assim que fizer causam o dano corporal grave, inabilidade permanente, ou a desfiguração permanente da criança comete um crime do segundo grau ou de terceiro grau, punível como fornecido em s. 775.082, s. 775.083, ou s. 775.084.

(4) para finalidades desta seção, “maliciosa” significa , erroneamente, intencionalmente, e sem justificação ou desculpa legal. Maliciosamente pode ser estabelecido pelas circunstâncias de que se poderia concluir que um pai razoável não acoplaria nos atos de danificação para a criança para nenhuma razão válida e que a finalidade preliminar dos atos era causar à vítima a dor ou ferimento injustificável.

Baixe nosso app:

Comments

comments

Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
153