DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Brasileira é presa após ser acusada de prostituição de luxo nos EUA.

Andrea Schwartz, de 31 anos, foi presa nos Estados Unidos acusada de comandar rede prostituição de alto gabarito no centro de Manhattan. Com a atividade lucrativa, a moça teria acumulado gorda poupança e o dinheiro custearia um apartamento de US$ 1,2 milhão em área nobre de Nova York. Era em casa que ela gerenciava o esquema.

Andrea foi ouvida ontem pela justiça e, por meio de um de seus dois advogados, afirmou que é inocente. “Ela é uma investidora em imóveis e estudante. Se o senhor encontrasse com ela na rua, veria que é muito charmosa”, disse Wayne Welsman no tribunal, depois de ouvir as acusações formais de prostituição, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. A acusada foi presa por um investigador que se passou por cliente.

Segundo a polícia, Andrea teria faturado US$ 1,5 milhão desde 2001 com o bordel clandestino que funcionava em seu apartamento de três quartos. Com um grupo de italianos, ela estava investindo na compra de um andar inteiro no prédio onde funcionava o Hotel Plaza, que está sendo reformado para tornar-se um condomínio de apartamentos de luxo. O investimento era de US$ 350 milhões.

Intérprete

“Ela trabalhava como intérprete dos italianos, e era paga por isso”, disse o advogado. Andrea, que apresentou à polícia três passaportes (brasileiro, italiano e americano), explorava brasileiras que levava aos EUA para curta temporada de rendoso trabalho em seu luxuoso apartamento nas proximidades do Central Park. Ela cobrava de US$ 700 a US$ 1,5 mil por uma hora de relações sexuais com as garotas – a maioria da equipe era de brasileiras –, embolsando metade da tarifa. Quando ela própria era a preferida por um cliente, o preço subia para US$ 2 mil, segundo as investigações.

O juiz negou o pedido de fiança para Andrea, alegando que ela podia escapar do país, embora suas contas bancárias tenham sido congeladas. Marta Nobrega, de 37 anos, e Cláudia de Castro, de 25, brasileiras que trabalhavam para Andrea e tinham entrado nos EUA com vistos de turista, foram presas. Elas serão deportadas após cumprir um ano de prisão por prostituição, caso sejam condenadas. A americana Minatee Park, de 29 anos, também foi detida.

Andrea pode pegar até 15 anos de cadeia, pois também é acusada de lavagem de dinheiro e tráfico de drogas. Os policiais encontraram uma grande quantidade de cocaína em seu apartamento.

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
223