DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Brasil: De acordo com as industrias, exportações de carne tem aumento de 15%.

O aumento do preço da carne bovina no mercado internacional tem contribuído para a elevação da receita cambial das exportações do produto. Nos números apresentados nesta terça-feira (8) pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), a receita com exportações de carne entre janeiro e julho deste ano foi de US$ 2 bilhões, um aumento de 15,52% se comparado com o mesmo período do ano passado.

O volume de carne exportada no mesmo período teve um crescimento de 2,3%, comparado aos números de 2005. Nos sete primeiros meses do ano, o volume embarcado de carne foi de quase 1,29 milhão de toneladas, contra 1,26 milhão de toneladas no ano passado. Para o diretor executivo da Abiec, Antonio Jorge Camardelli, os números apresentados ontem são satisfatórios.

“A gente fez uma previsão de volume de receita de 15% para o ano e o número tem se mostrado por aí. De volume a gente também fez uma avaliação nesse sentido, de 10%, e eu acho que a partir desse mês, com o provável aumento dos estados para a Rússia, as quantidades devem dobrar ou triplicar em relação aos meses anteriores”, disse Camardelli.

Apesar de considerar os números satisfatórios, ele acredita que as estimativas podem melhorar, principalmente se o Brasil conseguir superar os embargos à carne aplicados pelo Chile, Ucrânia, África do Sul, Angola e outros 25 países da União Européia. Os embargos têm atingido os estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná.

“O Brasil pode melhorar. Depende muito do trabalho que deve ser feito posterior às reversões dos embargos, acessando mercados mais competitivos em termos de preços, que praticam preços 300% mais caros que os mercados que o Brasil detém hoje. Estou falando de Coréia, Japão, Estados Unidos. A gente só vai conseguir isso depois de sepultar o episódio anterior da febre aftosa.”

No levantamento da Abiec, a Rússia é o principal país de destino de carne in natura, com um rendimento de US$ 251 milhões em receita e 171 mil toneladas em volume. Já os Estados Unidos são os que mais compram carne industrializada: US$ 165 milhões de receita e 97 mil toneladas embarcadas.

Agência Brasil

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
223