DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

BNDES pode financiar investimentos na Varig, mas não a compra da empresa, afirma ministro.

Rio e Brasília – O ministro da Defesa, Waldir Pires, descartou a possibilidade de o Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES) entrar com parte dos recursos necessários para a compra da Varig pelos funcionários da empresa.

“A possibilidade que o BNDES tem, e que o governo quer que ele cumpra, é de operar com a nova empresa que vai tocar a Varig. Uma empresa que tenha um cadastro bom, um cadastro possível de não conflitar com os regulamentos do BNDES”, explicou.

Segundo o ministro, caso o depósito de US$ 75 milhões seja feito, como determinou a Justiça do Rio de Janeiro, a empresa pode voltar a ter condições de receber o financiamento. Vencedor do leilão da Varig, o consórcio NV Participações, representante dos trabalhadores da companhia aérea, precisa pagar até amanhã (22) os US$ 75 milhões referentes à primeira parcela da compra.

Ontem (21), o presidente do BNDES, Demian Fiocca, disse que a instituição foi procurada pela NV Participações, com o intuito de buscar financiamentos para a recuperação de aeronaves.

Fiocca frisou que não houve solicitação para que o BNDES entrasse “diretamente” para financiar a compra. “Financiar novos investimentos é o trabalho cotidiano do BNDES”, afirmou Fiocca, acrescentando que o banco se dispôs a estudar o pedido.

Ele deixou claro, entretanto, que a aprovação do plano de negócios a ser apresentado pela NV está sujeita a vários fatores, dentre os quais, a comprovação de sustentabilidade financeira e apresentação de garantias. Os trabalhadores terão, ainda, que revelar os nomes dos investidores parceiros no processo de reestruturação da Varig, dados que hoje estão em segredo, disse o executivo.

Fiocca explicou que a disposição do banco “é fazer essa operação rapidamente”, sem, contudo, fixar um prazo. Segundo ele, muitas vezes, a análise de projetos tem prazo determinado pela precisão e pela qualidade das informações prestadas. No caso da TGV, o prazo vai depender do que o plano apresentar.

Ele lembrou que no financiamento concedido para a venda das subsidiárias da Varig (Varig Logística-VarigLog e Varig Engenharia e Manutenção-VEM), o BNDES conseguiu realizar a operação em duas semanas. Neste caso, ele disse que havia a garantia bancária da compradora, a TAP, de Portugal, “o que facilitou muito a análise do risco de crédito”. A TAP devolveu esses recursos ao BNDES.

Agência Brasil

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
223