DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Apresentador queima bandeira do Brasil

Um programa de TV que é apresentado mensalmente por Christopher “The Skunk” Antal, pela televisão pública a cabo, no canal M8 em Marlboro, Massachusetts, está se tornando o alvo de criticas da comunidade brasileira e de defensores dos direitos dos imigrantes. Christopher “The Skunk”, fez pesadas críticas aos brasileiros de Marlboro e região no programa que foi ao ar na segunda-feira(22) às 10:30 PM.

Christopher disse em seu programa que os brasileiros são preguiçosos, ficam o tempo todo em cima de seus traseiros e vivem de subvenções do seguro social. Christopher também rasgou uma bandeira brasileira, jogou-a no chão e aparentemente urinou sobre ela.
Para Frank Kavanagh, presidente da Brazilian American Association, de Framingham, as imagens mostradas no programa de TV não refletem a livre ma-
nifestação da opinião garantida pela primeira emenda americana. “Estas coisas só são possíveis porque os políticos locais não se importam com os imigrantes”, declarou Kavanagh.
A primeira emenda garante a livre ma-nifestação da opinião. “Se alguém viesse aqui queimasse uma bandeira americana, teríamos que mostrar”, afirmou o diretor-executivo do canal de Marlboro, Dan Guindon.
Paul Berg, diretor-executivo da NEWTV em Newton, não concorda. “Não importa o quanto é desagradável, a manifestação ao ódio está protegida”. Entretanto alguns grupos de defesa da comunidade brasileira se ofenderam com a política do canal, e para alguns membros da comunidade, o ato representa o ódio a um grupo étnico especifico.
Christopher Antal é um apresentador caricato, que não teme parecer ridículo, ao contrário. Faz disso uma forma de tornar conhecida sua figura na pequena cidade de Marlboro. Com isso, a menção de seu nome, em geral, não passa sem provocar reações, de admiração ou de extrema repulsa.

Repercussão
No dia seguinte ao programa, o jornal Metro West Daily News, de Massachusetts, publicou artigo com o título “Liberdade de expressão não custa barato”. No artigo, a jornalista Julia Spitz alerta que o preço do livre discurso parece terrivelmente alto ultimamente. O texto observa que “os americanos têm o direito de dizer o que pensam, mesmo que isso machuque outros”, mas questiona logo a seguir: “Mas por que será que isso parece errado algumas vezes?”.
A reportagem faz, entre outros casos, menção à atitude de Antal contra os brasileiros, em seu programa de TV, e convoca os leitores a escolherem um adjetivo para a mensagem transmitida pelo programa: “desrespeitosa, ofensiva, imatura, desagradável”. Conclui afirmando que, seja o que for o nome que se dê a ela, a atitude de Christopher Antal foi além dos direitos de um americano.

Mídia
Em 2003, anunciou que se lançaria candidato a prefeito de Marlboro. Na ocasião chegou a declarar que as pessoas votariam nele “porque estão fartas de políticos legítimos”. Teve uma derrota humilhante para o candidato Dennis Hunt, mas sua candidatura teve uma extensa cobertura da mídia local.

Antecedentes
Em 2004, a imprensa local noticiava que a polícia analisava se faria registro criminal contra o apresentador por incitar distúrbios, ao denegrir a imagem de Mary Carlson, diretora de uma escola que promovia um concerto para levantar fundos beneficentes.
Durante a cerimônia, Antal disse à multidão presente que havia ouvido que a diretora era uma “real bitch” (verdadeira vagabunda). Antal deixou o local logo que a polícia chegou. Ele foi proibido de aproximar-se novamente da escola.

Baixe nosso app:

Comments

comments

Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
153