DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Ancine divulga valores do cinema brasileiro

Relatório da Agência Nacional do Cinema (Ancine), divulgado na semana passada, mostra os valores captados pelos filmes de longa-metragem brasileiros entre 1995 e 2000, constituindo-se num dos mais amplos estudos sobre o mercado brasileiro até agora. O estudo informa os valores captados nesse período por 207 filmes de ficção e animação, além do público e da renda obtidos (Confira no site da Ancine).

Pelo levantamento, é possível concluir que o cinema brasileiro já tem uma indústria cinematográfica, mas ela está restrita ainda a apenas uma dúzia de empresas – como a Diler & Associados, do Rio, que produziu 12 longas no período e faturou cerca de R$ 87 milhões – metade do que fatura, por exemplo, uma grande livraria, como a Siciliano, ou uma rede média de fast-food no Brasil.

Entre os filmes produzidos pela Diler estão quatro das sete maiores bilheterias do cinema nacional, Xuxa e os Duendes (2,6 milhões de espectadores), Pop Star (2,4 milhões) Xuxa e os Duendes 2 – No Caminho das Fadas (2,3 espectadores) e Xuxa Requebra (2,1 milhões), além do sucesso recente de Maria, Mãe do Filho de Deus, do padre Marcelo Rossi (2,3 milhões).

O faturamento e a quantidade de filmes de produtoras como Filmes do Equador, Sky Light Cinema, Conspiração Filmes, Videofilmes, HB Filmes (de Hector Babenco, do sucesso Carandiru), Rio Vermelho Filmes e Morena Filmes mostram que há um setor consolidado no meio cinematográfico. Juntas, as 10 maiores faturaram R$ 235 milhões nas bilheterias nacionais.

Na outra ponta dessa indústria, estão empresas cujo desempenho – num mercado de fato – as credenciaria imediatamente a fecharem as portas. É o caso, por exemplo, da Nova Era Produções de Arte, que realizou o filme Lara, de Ana Maria Magalhães.

Cada ingresso de Lara custou cerca de R$ 1,7 mil, computados os valores captados pelo filme por meio das leis de incentivo (R$ 3,9 milhões), a bilheteria que arrecadou (2 mil pessoas viram o filme) e a renda obtida (R$ 14 mil).

Há dezenas de outros exemplos de produtoras cujo desempenho foi pífio nas bilheterias, mas não na hora de montar o orçamento. Dos produtores, 73 captaram mais de R$ 1 milhão em recursos incentivados, mas, destes, 40 não conseguiram romper a barreira dos 100 mil espectadores. O relatório informa que a Globo Filmes produziu no período três filmes, sem recorrer à captação de recursos, e obteve uma renda, na bilheteria, de R$ 16 milhões, com 3,3 milhões de espectadores.

Há casos de empresas extremamente bem-sucedidas no período. Um deles é a Natasha Enterprises, da mulher de Caetano Veloso, Paula Lavigne. Com um único filme, Lisbela e O Prisioneiro, de 2002, fez 3 milhões de espectadores e uma bilheteria de R$ 20 milhões. A Missão Impossível Cinco, que produziu Os Normais, captou R$ 1,5 milhão e fez quase 3 milhões de espectadores, faturando cerca de R$ 20 milhões.

O subsídio da produção é o preço pago pelos Estados nacionais para não serem marginalizados da possibilidade de terem um cinema seu”, escreveu o diretor-presidente da Ancine, Gustavo Dahl.

Segundo Dahl, “o primeiro conteúdo de um filme é seu orçamento” e, portanto, não há como não levá-lo em consideração na análise do mercado cinematográfico. “A produção cinematográfica, todos sabem, é investimento de alto, altíssimo risco. Mas é ela que movimenta os demais elos da cadeia econômica. Milhões e milhões de reais podem virar pó e isso é do jogo, aqui e no mundo todo. Por isso mesmo é que a indústria cinematográfica transnacional se estrutura em torno da diminuição do risco. Não há como deixar de levar isso em conta, se existe a idéia extremamente saudável, de concorrer, de competir com ela. E não apenas ficar bradando contra sua hegemonia”, afirmou.

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
200