DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

A maconha de Gil

Não se tinha notícia, até a sabatina realizada pela Folha com Gilberto Gil, de um de servidor público em cargo tão alto como o de ministro reconhecer que ter fumado maconha por tanto tempo. Só parou, segundo ele, aos 50 anos de idade. A partir daí, ele defendeu a descriminalização da droga. Talvez ele choque muita gente, mas ele está propondo o que deve ser proposto: quem usa drogas não é delinquente, mas, se for o caso, paciente.

O papel do Estado é, de um lado, punir o traficante, mas, de outro, ajudar o consumidor para evitar que seja dependente. É a posição do ministro e das pessoas sensatas do país, preocupadas com a saúde pública. Muita gente vai gritar, dizer que o ministro está dando mau exemplo, que a liberalização ajudaria a disseminação das drogas. Ocorre que, nesse campo, o melhor que se consegue (infelizmente) é reduzir o dano.

Há também uma hipocrisia óbvia: no país em que fabricante de cigarro consegue selo de responsabilidade social (e até patrocina eventos do terceiro setor), fica meio ridículo demonizar a maconha, cujos efeitos para a saúde pública são infinitamente menores do que os do cigarro.

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]
Gazeta Admininstrator
Gazeta Admininstrator
226