DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

Comentando sobre preconceito linguístico

Share

portugues-copyFernanda Sevarolli Creston Faria* 

A questão da linguagem envolve muito mais que sons, palavras e frases. Envolve a personalidade do indivíduo falante, sua realidade e o local de pertencimento deste enquanto interagente de determinada língua.

Quanto mais o tempo passa, mais as marcas de fala vão se adensando em meio aos falares e regionalismos próprios e sotaques variados.

Prova disso são os regionalismos que marcam o português do Brasil como único e, ao mesmo tempo, diversificado por região. Palavras e usos concernentes a determinado local fazem do português do Brasil uma singularidade de uso que deve ser observada, sendo que este já o é em muitos estudos e pesquisas.

Além disso, quando falamos em regionalismos, marcas e grupos de fala, percebemos uma coisa nova sobre a linguagem que a sociolinguística explica e explora em seus anais, mas a maioria das pessoas ainda ignora e muitos gramáticos ainda criticam: o preconceito linguístico.

Marcos Bagno, linguista conhecido no Brasil, tratou do assunto em um livro específico para o assunto1 e, mesmo após esta publicação, o preconceito ainda floresce de forma agressiva e massiva no país.

Você já ouviu uma pessoa do interior falando? Ou funqueiros conversando? Ou ainda detentos batendo papo? Já percebeu que há particularidades na fala destes e de muitos outros grupos sociais?

Devido a estas particularidades, acontece por partes daqueles “falantes cultos” em muitos momentos o famigerado “preconceito linguístico”, que é tópico de debates por parte de muitos, mantido por outros, explicado e rechaçado por Bagno, de forma inteligente e bem fundamentada em seu livro.

É preciso esclarecer que, como Bagno, acredito nas particularidades de uma língua falada por um país imenso e que carrega em seu escopo a herança de anos de colonização, mudanças e estrangeirismos, além dos regionalismos marcados tanto por influência do coloquial, quanto do formal. Acredito ainda que na construção de uma língua a influência do indivíduo determine sua riqueza de detalhes e propriedades que vão culminar em falares diversos e grupos de fala ainda mais diversos ainda.

Ou seja, a existência da língua total não deve ser suplantada apenas pelo cultivo da norma culta, mas deve ser respeitada por suas singularidades, heranças e marcas locais que a enobrecem dia após dia.

Portanto, quando perceberem alguém criticando o jeito de outrem falar, o sotaque ou uso de determinada palavra ou frase por alguma pessoa, leve em consideração seu local de pertencimento e o objetivo de cada colocação a ser interpretada, que deve ser vista como a língua, que sendo uma em várias, é perfeita em si por ser real e única.

___
1 BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico – o que é, como se faz. 15 ed. Loyola: São Paulo, 2002.

_________________________

*Graduada formada  em  Letras  (UFJF),  especialista  em  Práticas  de Letramento e Alfabetização (UFSJ), especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da EAD (UFF) e mestre em Gestão  e Avaliação da  Educação  Pública  (CAED/UFJF).  Tutora  EAD  (Pedagogia/UAB/UFJF) e  Coordenadora  do  Curso  de Idiomas Veg –  Juiz de Fora/MG.

Baixe nosso app:

Comments

comments

Share

Tags: ,,,

AOTP
AOTP
A AOTP é uma entidade sem fins lucrativos e não governamental criada por professores da Flórida em 2007. Está comprometida em valorizar e promover o ensino da língua portuguesa, orientar professores estrangeiros no processo de habilitação para lecionar nos EUA, assim como proporcionar atualização e aperfeiçoamento profissional.Para ler mais sobre a American Organization of Teachers of Portuguese, acesse www.aotpsite.org. Contato: nossoidioma@gazetanews.com
200