DESDE 1994 SERVINDO À COMUNIDADE BRASILEIRA NOS ESTADOS UNIDOS.

Breaking news

17 milhões de crianças respiram ar tóxico no mundo, aponta UNICEF

Milhões de bebês podem ter cérebro afetado pela poluição. Imagem ilustrativa: Pixabay.

Cerca de 17 milhões de crianças em todo o mundo estão respirando ar altamente tóxico que pode afetar potencialmente seu desenvolvimento cerebral, diz um estudo da UNICEF publicado na última semana.

Partículas de poluição podem danificar o tecido cerebral e prejudicar o desenvolvimento cognitivo, com potenciais consequências ao longo da vida, afirma o relatório.

Dois terços das crianças afetadas – mais de 12 milhões – vivem no sul da Ásia e estão expostas à poluição seis vezes mais do que os limites recomendados. De acordo com dados publicados pela Statista, os principais países poluidores em 2016 foram a China e os Estados Unidos.

Trump gera conflito ao retirar EUA do Acordo de Paris

A poluição do ar é uma das maiores ameaças à saúde infantil em todo o mundo. Uma das doenças mais comuns entre os infantes é a pneumonia que afeta cerca de 920,000 crianças menores de 5 anos todos os anos e o risco é maior para menores de 1 ano.

Poluição x Cérebros infantis

O cérebro dos bebês sofre um crescimento crítico nos primeiros 1.000 dias de vida, formando conexões neurais fundamentais nesta fase. A exposição à poluição do ar durante esse período pode, portanto, afetar o desenvolvimento, afirma o relatório.

Durante o desenvolvimento, os cérebros jovens são especialmente vulneráveis ​​a pequenas doses de produtos químicos tóxicos. Isso é piorado por uma maior taxa de respiração em crianças, o que faz com que eles inalam ar mais tóxico, de acordo com o relatório.

O cérebro de bebês e crianças pequenas são construídos por uma interação complexa de conexões neurais rápidas que começam antes do nascimento”, disse Pia Rebello Britto, chefe do desenvolvimento da primeira infância da UNICEF. “Essas conexões neurais formam o pensamento ideal, a aprendizagem, a saúde, a memória, as habilidades linguísticas e motoras de uma criança”.

Ambientes negativos, como a exposição ao ar tóxico, tornam as crianças mais vulneráveis ​​a problemas de desenvolvimento, impedindo que seus cérebros se desenvolvam completamente, explicou.

A pesquisa mostrou que a poluição do ar pode agitar o crescimento, impactar o QI e a memória e causar problemas psicológicos, como ansiedade, depressão e transtorno de hiperatividade com déficit de atenção, que podem afetar o resultado da vida escolar.

O estudo da UNICEF utilizou imagens de satélite para identificar uma população infantil de 12 milhões no sul da Ásia com maior risco de poluição, onde excede os limites de poluição atmosférica estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde em seis vezes.

Nicholas Rees, especialista em política da UNICEF e autor do estudo alertou para a urgência da questão. “Com um em cada oito bebês que respiram ar extremamente poluído, medidas urgentes para reduzir a poluição do ar devem ser tomadas agora. Não seremos capazes de acabar com as mortes infantis – e proporcionar às crianças um começo justo na vida – sem enfrentar os riscos ambientais que enfrentam”, afirmou.

Não somente na Ásia, mas também na Europa e Reino Unido os números são muito preocupantes para a saúde pública”, disse Rachel B. Smith, pesquisadora da Escola de Saúde Pública do Imperial College de Londres.

Smith escreveu um artigo publicado também na última semana que analisou a saúde de meio milhão de bebês em Londres entre 2006 e 2010. Ele descobriu que as mulheres grávidas expostas à poluição do ar eram mais propensas a dar à luz bebês com baixo peso.

Ação urgente necessária

O especialista acredita que o planejamento urbano inteligente – incluindo tornar acessível os transportes públicos, parques e espaços verdes para crianças, e melhor gerenciamento de resíduos para prevenir a queima de ar livre – ajudará a reduzir os níveis de poluição. “Nós também precisamos garantir que as crianças tenham acesso aos serviços de saúde que precisam para tratar as condições de saúde associadas à poluição do ar”, salientou.

O relatório também menciona os efeitos adversos do tabagismo, mesmo que o feto seja exposto ao fumo passivo no útero.

“Os agentes poluentes na queima de tabaco, apesar de serem diferentes dos encontrados em combustíveis fósseis, se sobrepõem”, disse Rees, pedindo uma ação ousada e decisiva. “Precisamos de fontes de energia renováveis ​​e limpas para evitar a poluição causada pela combustão de combustíveis fósseis”.

Os estudo aponta ainda para o problema global da poluição sobre o desenvolvimento de bebês. “Quando o desenvolvimento cognitivo de uma criança está prejudicada, afeta não apenas vidas individuais, mas famílias inteiras, comunidades e economias. O grande número de bebês que vivem em áreas altamente poluídas do nosso mundo, combinado com a evidência emergente apresentada neste novo artigo, oferece um alerta urgente para agir contra poluentes”.

Com informações da CNN.

Baixe nosso app:

Comments

comments

[apss_share]

Tags: ,,,,

Gazeta News
Gazeta News
227